Traduções home / tudo sobre Traduções

SÉRIE: Educação em Yoga Online – Sessão 1

SÉRIE: EDUCAÇÃO EM YOGA on-line
por
Shri. Prashant Iyengar
Primeira sessão, gravada 08 de abril de 2020
Ramamani Iyengar Memorial Yoga Institute
Transcrição livre, traduzida por Bruna Paez, revisada por Katia Dacosta, ABIY.

Namaskar! Hoje é dia de Hanuman Jayanati e nessa ocasião faremos um tipo de Educação on-line em Yoga. Não se trata de uma aula on-line. O mundo está muito familiarizado com aulas on-line; particularmente com o advento do corona vírus, os professores estão on-line para ensinar yoga. Essa sessão certamente não é uma aula, é um tipo particular de educação, Educação em Yoga. É aberta a todos que estejam praticando yoga, em qualquer nível – pode ser um iniciante ou um aluno mais antigo. Isso é para todos. Entretanto, haverá uma grande vantagem para os praticantes de Iyengar yoga.

Por se tratar de um tipo de educação, a aula não será conduzida da maneira com a qual você está familiarizado, onde você é requisitado a fazer alguns asana-s. Infelizmente, yoga hoje é fazer asana-s. Talvez, asana e pranayama e quem sabe asana, pranayama e alguma meditação – essa é a nossa noção do que o yoga é. No entanto, quando vamos para educação [em yoga], nenhuma postura será estipulada. Você pode ir para qualquer postura com a qual você inicia a sua sessão de prática e, então, as minhas instruções serão compatíveis com qualquer postura na qual você estiver. Alguns jovens, que estão cheios de energia talvez queiram fazer algum exercício físico; alguns de vocês podem ser pessoas mais velhas e que estejam em busca de bem-estar – qualquer que seja o caso, vá para isso. Em respeito a qualquer faixa etária, essa educação deve vir de uma boa maneira.

Agora, embarque em qualquer asana – pode ser uma postura supina, uma postura em pé com a qual você geralmente começa… Vamos tentar entender que essas não são posturas que você está fazendo. Você está instalado em uma postura, você pensa que é uma postura, mas isso não é somente uma postura… vamos ver como o yoga vem nessa postura.

No estágio preliminar, o que você vai fazer é tornar-se consciente do seu corpo, mente e respiração. Em cada posição a respiração fisiológica muda. O jeito que você respira em diferentes asana-s será diferente. Então torne-se consciente da sua respiração e do respirar e torne-se consciente da sua mente, corpo, respiração.

Você está instalado agora em uma posição, você está fazendo uma postura com o corpo. Agora, meramente estar em uma postura não se torna yoga.

Corpo

Basicamente, o que deve ser feito é que você deve começar a usar qualquer parte do seu corpo que você seja capaz de usar na sua posição. Se você está em uma postura em pé, você pode usar os seus membros, você pode ajustar os membros; você pode usar os braços, você pode ajustar os braços… Se estiver em posição supina, descubra quais partes do corpo podem ser usadas. Então use essas partes do corpo e também aborde essas partes do corpo. Por exemplo, aborde o segmento pélvico, aborde o segmento abdominal, aborde o segmento diafragmático, o segmento do peito, a parte superior das costas, a parte baixa das costas e as partes do corpo que você seja capaz de abordar.

Então use as várias partes do corpo. Descubra quais partes do corpo podem ser usadas na sua postura.
Quanto você pode usar suas pernas? Quanto você pode usar seus braços? Quanto você pode usar o seu tronco? Em asana-s não se trata de simplesmente fazer. Você está em uma postura, agora use cada e toda parte do corpo que for possível. Aborde qualquer e toda parte do corpo que for possível. Então, use, aborde, aplique as várias partes do corpo.

Conecte-se com os seus membros e tronco, assim eles estarão aptos a cooperarem. E então descubra na sua postura: você pode usar e conectar os seus membros com o tronco e descobrir a maneira de usá-los?

Na sua posição, se você for se exercitar, você irá exaltar as ações biomecânicas, como se você quisesse exercitar essas partes do corpo e criar ações exageradas – firmar, esticar, alongar, estender, dobrar, rotacionar, puxar, empurrar, dentro, fora etc. Então, essas ações serão mais exaltadas no caso de você se exercitar. Pode ser um exercício musculoesquelético. Descubra o quão longe você pode exercitar o seu corpo musculoesquelético, a estrutura musculoesquelético na sua postura.

Respiração

Você também está usando a sua respiração nessas partes do corpo. Uma atenta e profunda exalação e inalação e, então, um ciclo de respiração hiper-normal, uma respiração acentuada, uma respiração suave, mais densa, mais fina… aplique a sua respiração no seu corpo musculoesquelético e descubra como você pode obter alguns benefícios na estrutura corpórea.

Mente

Finalmente, use a sua mente e intencione a sua condição de disposição, traga a sua mente para focar e compreender o corpo: Como você está ativando o seu corpo? Como o corpo está sendo ativado? Como o corpo está ativando? Nos seus exercícios, você estará ativando o corpo e o corpo será ativado. Então, comece a identificá-los e lê-los com a sua mente. Vontade, volição… Em algumas posições, vontade e volição são requisitadas de forma pronunciada. Observe se você está tentando trazer aspectos da mente: sensação, percepção, cognição, processos de pensamento, deliberação e, então, vontade, volição, consciência, sensitividade… Essas são as várias funções da mente. Certifique-se que estejam em seu devido lugar enquanto você está na posição, que você chama “postura”.

Exercitando corpo, respiração e mente

Se você for exercitar o corpo orgânico, vá para qualquer parte onde possa exercitá-lo: órgãos pélvicos, abdominais, torácicos – essas são as localizações onde temos o corpo orgânico situado no tronco. Veja quais são as maneiras em que você pode exercitar o corpo orgânico: contrações, extensões, expansões, endurecendo, apertando, flexionando, dobrando, rotacionando… qualquer que seja a posição em que você se encontre, descubra tudo o que você pode usar para exercitar o seu corpo fisiológico (orgânico). Isso se chama abordagem orgânica: você está com o seu corpo, com conectividade entre membros e tronco, com sua respiração, exalação, inalação, normal para hiponormal, e então, consciência da mente e das funções mentais da sensação, percepção, cognição, memória, volição, vontade, determinação, intenção, diligência… Descubra de que maneira a mente pode ser ampliada na estrutura corpórea.

Observe o que vem no seu asana (no caso do asana não ser de longa duração, volte e troque o lado ou repita a postura mais uma vez ou vá para outra postura) tão logo passamos para as intensas atividades corporais e ações biomecânicas: firmando, alongando, estendendo, tornando côncavo, convexo, estreitando, ampliando, densificando, afinando, puxando, empurrando, rotacionando, dobrando… O que quer que venha na sua postura, essas são as abordagens do corpo. Tão logo exercitamos o corpo, ativamos o corpo.

Similarmente, faça o mesmo com a respiração. Certifique-se de usar uma exalação mais profunda do que somente uma respiração normal. Descubra de que forma a inalação profunda pode contribuir, de que forma a exalação profunda pode contribuir. E, então, um volume de respiração hipernormal e, depois, mudando a velocidade da sua respiração: padrão normal de velocidade para um padrão de velocidade hiponormal, ou seja, desacelerar a respiração, tornando-a mais fina, mais lenta e mais lenta e mais lenta… E também do outro modo, fazendo a velocidade hipernormal da respiração, um pouco mais densa, aguda e rápida.

Veja como você pode abordar a respiração. Tente exercitar a respiração e o respirar fisiológico ao usar o volume e a velocidade da respiração. Você também pode usar confinamentos. A respiração do confinamento abdominal ao confinamento diafragmático, ao confinamento do peito, até mesmo ao confinamento da cabeça, rosto e crânio. Você pode respirar aí também, porque agora você não está mais respirando “respiratoriamente” e, sim, holisticamente. Você pode usar, exercitar, condicionar e cultivar a respiração em vários locais. Torne-se consciente disto também.

Você também pode exercitar a sua mente enquanto está nessa posição. Você pode exercitar a vontade em vez de meramente empregar vontade; por que você também não gera vontade na postura? Em vez de ter intenção na sua postura (posição), por que não gerar intenção? Em vez de somente investir diligência, percepção, cognição, por que não tentar gerá-las? Assim, você também terá esses atos para gerar vontade, volição, intenção, diligência, percepção, cognição…

A mente também pode ser colocada em exercício enquanto o corpo está sendo exercitado na postura. Essa é a abordagem da estrutura mental.

Trabalho em comunidade

Há (1) a abordagem orgânica, onde corpo, mente e respiração trabalham no corpo; (2) a abordagem respiratória, onde corpo, mente e respiração trabalham na respiração (aspectos da inalação e da exalação); e (3) a abordagem da estrutura mental, onde a mente é acessada através do corpo, mente e respiração.

Então há sempre uma atividade conjunta, feita em comunidade. A comunidade corpo, mente, respiração se juntam e realizam várias atividades. Essa é a estrutura do yoga clássico ao fazer as suas posturas. De outra modo, nós estamos acostumados a apenas fazermos as posturas. Aprenda, pratique e aperfeiçoe a postura.

Em qualquer postura você pode exercitar corpo, mente e respiração. Se o asana for difícil, você vai encontrar dificuldade na respiração e no respirar. Nesse caso, você pode exercitar a respiração. Em uma contorção difícil, muita intensa, tentar respirar normalmente já é, por si só, um exercício. Há exercícios para os aspectos da respiração, aspectos da mente e aspectos do corpo.

Purificação e conhecimento

Em yoga, nós devemos destacar o processo de purificação. No seu asana, você precisa atentar para processos purificatórios. A exalação é um instrumento muito importante para purificar as células do corpo, a estrutura corpórea, a mente empírica e temporal e, talvez, em um estágio posterior, a mente mais profunda, assim como o corpo mais profundo e esotérico.

Em cada asana, procure exalar mais e mais, e mais e mais frequentemente. Isso irá trabalhar no plano celular, onde você pode testemunhar por si mesmo, ao exalar mais e mais, desde o segmento da cabeça (do cérebro) ao segmento da pelve. Experimente, ao exalar, um volume de exalação incomum, será um tipo de excreção, evacuação, purificação interna…

O yoga clássico postula que deve haver um processo de purificação em qualquer aspecto do yoga que esteja sendo praticado.

Descubra como você pode ter um processo purificatório na postura e na posição que você se encontra. Daqui em diante, não podemos ousar chamá-las de “posturas”, pois há tantas coisas acontecendo: mente, corpo, respiração – eles estão abordando, eles são abordados, eles são usados, eles são empregados e eles empregam. Não justifica chamá-las de posturas.

Há dois aspectos do yoga clássico: a purificação (o processo purificatório, de limpeza) e o conhecimento (o processo de conhecimento).

No capítulo 2, sūtra 28, Patañjali descreve sobre o Ashtanga Yoga: yoganganusthanat asuddhiksaye jñanadiptih avivekakhyateh.

Quando você tem consciência de um ato mental, intelectual, emocional, psicológico, psíquico, isso é um conhecimento do mundo interior. Você está fazendo tudo com consciência e sensitividade, então há percepção, cognição e também um processo de conhecimento.

Podemos identificar então, como descrito por Patañjali nos Ashtanga Yoga Sūtra-s, que existem ambos os processos, purificação e conhecimento e, é claro, de modo implícito, que o yoga é um processo purificatório e um processo de conhecimento.

Há um processo de conhecimento, portanto, há um processo de educação: você aprende sobre seu corpo, mente e respiração; aprende sobre as interações do corpo, mente e respiração; compreende como eles estão entrosados. Eles estão trabalhando mutuamente. O seu corpo, a sua mente e a sua respiração não estão trabalhando para você. Eles estão trabalhando para eles mesmos, para as suas interações. Há o cultivo de uma enorme comunidade interna, de uma condição interna social e de interação social e, portanto, um ato interno sociológico que acontece entre as matérias do corpo, da mente e da respiração.

Essas são algumas das estruturas do yoga clássico que você pode começar a explorar, identificar, descobrir em qualquer posição que você estiver. Tente várias posturas, várias posições e veja como esse preceito pode ser aplicado, e então, você verá como a educação (em yoga) está acontecendo.

Considerações sobre o momento atual

Estamos em um momento de tremenda gravidade. O mundo todo está tenso, estressado, petrificado. Na presente situação, o que todos desejam é ter uma boa imunidade, pois até o momento não temos nenhum remédio para o corona vírus.

Na perspectiva do yoga, a imunidade depende de dois fatores:

1) Fator orgânico (fisiológico, mais particularmente, o complexo orgânico do abdômen): Os órgãos abdominais devem funcionar na sua capacidade ótima, de outra forma, estaremos vulneráveis a infecções de vírus ou bactérias. Os órgãos abdominais devem ser considerados como um fator primário devido ao seu sistema de defesa, que é muito importante para o sistema imunológico. Nos asana-s, em qualquer postura que você estiver praticando, veja como pode ajustar o abdômen, o quanto pode abordar o abdômen e os órgãos abdominais, e o quanto pode melhorar progressivamente a abordagem em relação ao abdômen; a participação do abdômen na postura, a abordagem dos órgãos abdominais e o envolvimento deles na postura. Use, envolva, faça o abdômen participar, faça com que os órgãos do abdômen se tornem recipientes. Esse é um aspecto importante da dimensão dos asana-s.

Também devemos evitar alimentos que não sejam apropriados, como fast food ou comidas de rua.

2) Fator mental: Se o cérebro, o órgão psicológico, estiver sob muito estresse, tensão, preocupação, ansiedade ou qualquer mal-estar, será contra-produtivo e não irá funcionar positivamente, e sim, de modo negativo sobre o sistema imunológico. Aqueles que tem uma mente turbulenta, muito raramente terão um bom sistema de defesa. Pela lógica, as funções do cérebro, do metabolismo e o processo de imunidade caminham de mãos dadas. Devemos ter processos psicológicos sadios; cérebro e mente sadias; estarmos confortáveis, distensionados, desestressados… Em asana-s, ao abordar a cabeça, o cérebro, o rosto, o crânio, você está abordando a sua mente psicológica, psicomental. Assim, a mente será mantida em bom estado, estável, calma e serena.
Tanto os ajustes do cérebro quanto os ajustes do abdômen são muito importantes. Outro campo muito importante a explorar é o da interação com você mesmo enquanto está em yoga. Não deve haver condição de gosto ou desgosto, de amor ou ódio, de apego ou aversão quando estamos interagimos com nós mesmos. Devemos deixar essas dualidades de fora. Isso é muito importante para fortalecer o sistema imune. Se a mente está oscilando em todas as polaridades e gerando aborrecimentos, isso não é bom para o sistema imunológico. Nos asana-s podemos abordar o cérebro e, então, usar o cérebro internamente para adquirir uma configuração mental virtuosa. Asana-s oferecem o ambiente para ter essa configuração mental e, então, o aspecto da imunidade estará sendo cuidado com essas práticas.

A imunidade não é uma pílula

A imunidade não é uma pílula que podemos comprar e tomar… É um processo metabólico, químico do corpo; não há nenhuma medida instantânea para ter imunidade. Você pode tomar alguns suplementos, vitaminas, proteínas, cálcio, minerais etc. Mas não espere algo como uma pílula da imunidade, porque ela não depende de suplemento, e sim, do processo fisiológico, bioquímico e do metabolismo celular.

Nenhum asana é uma pílula da imunidade. Qualquer asana que você fizer pode funcionar para a imunidade. A imunidade é desenvolvida a longo prazo, não é algo que você pode ter a curto prazo. Ajudando a química do seu corpo, você pode levantar o sistema imune, e isso deve ser trabalhado, mas leva um longo tempo, da mesma maneira que uma criança leva nove meses para nascer. A imunidade vem por uma melhora bioquímica e um melhor metabolismo celular, não há pílula… nenhum asana é uma pílula, nenhum pranayama é uma pílula, nenhum kriya é uma pílula. Compreenda isso e continue esse tipo de prática tendo em mente a estrutura clássica do yoga.

Gostaria de ver a próxima sessão?

#tags abhijata bks iyengar convencao rama revista sanjaya yoga
Receba nossas novidades em seu e-mail